terça-feira, 26 de abril de 2011

NEM PENSE NISSO! DIGA SEMPRE SIM PARA A VIDA.

Na minha última postagem, falei da minha família de origem, dos meus irmãos, e do fato ter uma família muito grande. E ao pensar em tudo isso, lembrei que meus pais tiveram muito dificuldades para criar os 13 filhos, já que um deles morreu ainda bebê. No entanto, apesar de naquele tempo ser comum dizer que Deus dá, Deus cria, posso dizer com toda certeza que não foi só por isso, mas também pelo prazer de ter uma família grande e também por que não cabia na cabeça de nenhum deles não ter o filho que Deus havia lhes enviado. Ainda bem, pois, se fosse hoje, em que as famílias estão cada vez mais pequenas, talvez eu não estaria aqui agora.
 Por isso, digo sempre que é obrigação de nós quanto familia e família católica defender sempre a vida. Segue um lindo texto encontrado no blog do Dr. Aleksandro Clemente que diz tudo que nós tentamos e às vezes não conseguimos.
Família e Aborto
por Aleksandro Clemente
Narra o Livro do Gênesis que “... Deus criou o homem à sua imagem; (...) E os criou homem e mulher. E Deus os abençoou e disse: Sejam fecundos, multipliquem-se...” (Gn.,Cap.1, v.27). O texto bíblico citado nos ensina coisas importantes acerca das quais devemos refletir.
Primeiro, a bíblia ensina que Deus, que é o criador, fez o homem “à sua imagem”. Isso quer dizer que na história da criação o homem é o ponto máximo da obra divina; tanto assim que é a própria imagem de Deus refletida na terra. Além disso, o texto diz que Deus nos fez “homem e mulher”, numa prova de que no projeto de Deus não há espaço para o machismo nem para o feminismo, mas sim para o companheirismo, devendo ambos os sexos se respeitarem mutuamente e trabalharem unidos na construção do Reino. Em seguida, a bíblia diz que Deus abençoou o ser humano e disse: “sejam fecundos, multipliquem-se”. Ora, a fecundidade desejada por Deus significa que homem e mulher, unidos em matrimônio, receberam o dom de participar ativamente do processo de criação, gerando vida e espalhando amor na comunidade, sendo, portanto, co-criadores do Reino de Deus. Assim, a partir da família o ser humano dá continuidade à obra de Divina.
Por isso, homem e mulher, unidos pela força do amor, devem se transformar em “uma só carne” (Gn. Cap. 2, v. 24) e transmitir as bênçãos de Deus de geração em geração através dos filhos, que são os frutos mais preciosos do casamento. Além disso, ao gerar e educar seus filhos com base no amor, o casal assume também seu papel de co-responsáveis pela construção de uma sociedade justa, fraterna e solidária, onde a paz e a harmonia possam prevalecer. Nesse contexto, portanto, a família é sagrada e base de todo o corpo social. Talvez por isso, o Papa João Paulo II tenha dito que a família é o “Santuário da Vida”.
Mas ultimamente a família vem sendo alvo de muitos ataques. E o aborto revela-se como um dos ataques mais cruéis que se pode cometer contra a família. Isso porque o aborto destrói não só uma vida humana mas também o maior fruto do matrimônio que é o Filho. Numa dimensão espiritual, o aborto não é outra coisa senão um grave pecado contra o maior dom que Deus deu ao ser humano: o de gerar vida. No Brasil, essa ameaça à vida e à família se manifesta através do Projeto de Lei 1.135/91, que tramita na câmara dos deputados. Tal Projeto de Lei prevê a revogação dos artigos 124, 126, 127 e 128 do Código Penal, permitindo, com isso, que seja decretada a morte do nascituro até momentos antes do parto. O mais triste é que, escondendo-se atrás do rótulo de defensoras dos direitos das mulheres, as chamadas “feministas” propõe à mulher brasileira a prática do aborto como método de controle da natalidade, como se a liberdade e a felicidade feminina estivessem condicionadas à ausência de filhos, o que, convenhamos, contraria a própria natureza da mulher, pois, em todas as espécies, a maternidade é a maior graça que Deus concedeu ao sexo feminino.
Essa distorção de valores tem feito muitas mulheres enxergar a maternidade como um empecilho às suas conquistas pessoais. Mas o filho não deve ser visto nunca como um fardo e sim como um milagre a ser multiplicado pela ação dos cônjuges, os quais recebem a incumbência de fazer da família um verdadeiro santuário, um lugar sagrado onde a vida acontece.
Vida sim, aborto não!
Viva a Vida!

Um comentário:

  1. Olá... Paz & Bem...
    Adorei seu blog... achei ele muito legal...
    Como é bom ver que há tanta gente que se dispõe a evangelizar pela internet... Já estou seguindo-o e serei seu visitante assíduo...
    Convido você a visitar meu blog: http://catequistaroberto.blogspot.com
    Você permite que eu utilize seu material em meu blog (dando os devidos créditos, é claro)?
    Fique na Paz de Deus e no Amor de Maria.

    Roberto Garcia
    http://catequistaroberto.blogspot.com
    msn: catequista.roberto@yahoo.com.br

    ResponderExcluir